Estudando sobre Santificação - 3 | IAVB - Igreja Apostólica Vale da Bênção

Estudando sobre Santificação - 3

Vejamos sobre alguns aspectos que envolvem a santificação na vida do cristão: 

1º A Santificação Pessoal.

A santificação pessoal é a posição de santificação absoluta e eterna na vida de um cristão genuíno diante de Deus. Isso acontece mediante a fé na graça e na redenção dos nossos pecados, pelo sangue purificador de Jesus Cristo, feito uma só vez por todas na cruz do calvário. O texto de Hebreus 10:14 diz: "Pois com uma só oblação (sacrifício) aperfeiçoou para sempre os que são santificados", e também, o texto de Hebreus 10:10 diz: "Na qual vontade temos sido santificados pela oblação (sacrifício) do corpo de Cristo, feito uma vez". Também em I Cor. 1:2, diz: "À Igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus", e ainda, em I Cor. 6:11 diz: "tais fostes alguns de vós, mas haveis sido lavados, mas haveis sido santificados, mas haveis sido justificados em nome do Senhor Jesus, e pelo Espírito de nosso Deus". Ao chamar os discípulos da cidade de Corinto de santificados, apesar de haver contendas e pecados, o apóstolo Paulo estava dando ênfase à graça salvadora de Deus, em face da remissão de seus pecados, mediante o valor do sangue da nova aliança em Jesus Cristo. Tinham sido lavados no sangue do Cordeiro imaculado, perdoados os seus pecados, e justificados em Jesus Cristo, e consequentemente foram comprados e separados (santificados) para servir a Deus. Esta santificação diante de Deus é o resultado da Obra salvadora de Jesus Cristo que nos comprou por um grande preço. E nos separou para si mesmo como sua propriedade exclusiva e povo santo. Nesta Obra perfeita e acabada, o mérito pertence exclusivamente ao Senhor Jesus Cristo, que por direito nos tirou para fora do sistema mundano de Satanás, e nos colocou no "Reino do Filho do Seu amor", conforme Col. 1:13. Isto é exatamente o que significa a palavra IGREJA (EKkLESIA). Aos olhos de Deus, já fomos separados (santificados) eternamente, e somos Dele por direito de compra, cujo preço foi o Sangue de Jesus Cristo, conforme está escrito em I Pd.1:18-19, e Ef.5:25-26: "...fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição rebestes dos vossos pais, mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado", e mais, com respeito a Igreja diz: "...como também Cristo amou a sua Igreja, e a si mesmo se entregou por ela, para a santificar, purificando-a com a lavagem da água pela palavra".

2º Santificação Prática.

A santificação prática é a maneira de ser revelado o verdadeiro discípulo e o falso, pois, como disse Jesus: "Os verdadeiros adoradores, adoram o Pai em espírito e em verdade" João 4:23. E isto só pode se evidenciar pelos nossos atos e fatos vivenciados diariamente, refletindo exteriormente como “luz e sal” diante do mundo o que somos de fato e em verdade em Cristo, através do nosso testemunho de vida, conforme II Cor. 3:18.

É na experiência da vida diária, onde se revela a grande distância entre o "discurso" e a "prática", entre o falso discípulo e o verdadeiro discípulo; entre o discípulo cheio do Espírito Santo e entre o discípulo "frio" e o "quente", conforme Apoc. 3:15-16. O verdadeiro e genuíno discípulo, filho de Deus, naturalmente, por ser nova criatura tem que, consequentemente, refletir no cotidiano a sua mudança de ser santo por ser santificados por Jesus Cristo.

A Bíblia diz: "em toda nossa maneira de viver" é a nossa transformação interior pelo Espírito Santo, via novo nascimento integral: Espírito, Alma e Corpo. (I Tes. 5:23). A vida prática do cristão, necessariamente, tem que corresponder à sua nova vida comportamental de Filho de Deus, separado (separado do mundo corrompido) para o serviço do Senhor Jesus Cristo, como fiel testemunha. Apoc. 2:10b. diz: "Sê fiel até a morte, e dar-te-ei a coroa da vida".

Então, o cristão, na sua totalidade, espírito, alma e corpo, provam autenticamente diante do mundo, a verdadeira fé que ele tem no coração. A maneira de ser, de existir, como "Sal e Luz", no dia-a-dia da vida, ele dá prova de sua fé através de seu testemunho pessoal.

Foi assim que o apóstolo Paulo definiu o verdadeiro testemunho: "E vos revistais do novo homem que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade" – (Ef. 4:24). E Também, em Romanos 12:1-2, o mesmo apóstolo, exorta-nos a apresentar nossos corpos: "em sacrifício vivo e santo... que é o nosso culto racional", e não nos conformar (tomar a forma de, imitar, modelar-se, identificar-se) com este mundo (com o padrão mundano), mas transformai-vos (dar nova forma), pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis (vivenciar na prática), qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus – (Rom. 12:1-2).

Assim, o cristão fiel que apresenta o seu corpo em sacrifício vivo, santo, separando-se do mundo ímpio, corrompido, e do pecado, ele, por inteiro oferece-se em consagração ao serviço do seu Senhor, vivo, ressurreto dentre os mortos, no altar da graça. (Conforme: Rom.6:11-23; Col.3:1-4. e Mat.27:51-53).

Encontramos esta verdade claramente em Rom. 6:13, que diz: "Nem ofereceis cada um os membros do seu corpo ao pecado como instrumentos de iniquidade, mas oferecei a Deus, como ressurretos dentre os mortos, e os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça". O verbo usado aqui é o mesmo usado em Rom. 12:1, e significa "separar-se (santificar-se) para Deus". Esta é a santificação prática.

A vida do cristão fiel testemunha na vivência prática que está controlado pelo Espírito Santo, pois já crucificou a carne, o pecado e o mundo, e vive agora sob o domínio e controle soberano do Espírito Santo, (conforme Rom.8:14; Gal.2:20; 5:16-26; 6:14).

É como disse Jesus em Mateus: "...Por seus frutos os (falsos profetas) conhecereis. Por ventura colhem-se uvas dos espinheiros ou figos dos abrolhos? Assim, toda árvore boa produz bons frutos, e toda árvore má produz frutos maus"... "Portanto, pelos seus frutos os conhecereis. Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus". (Mt.7:16-23). Não é pelos frutos que se conhece se a árvore é boa? Então, pelos frutos que o cristão produz (o seu testemunho) é que também se conhece o verdadeiro filho de Deus, como fruto da "videira verdadeira", Jesus Cristo. (Jo.15:1-8).

A consequência natural dessa entrega total ao poder do Espírito Santo, é a libertação do domínio do pecado na vida diária. Veja o que diz o texto de Romanos 6:14-18,22. Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estás debaixo da Lei, mas debaixo da graça. ...Pecaremos porque não estamos debaixo da Lei...? De modo nenhum. Não sabeis... que sois servos daquele a quem obedeceis, ou do pecado para morte, ou da obediência para a Justiça? ... Mas agora, libertado do pecado, e feitos servos de Deu, tendes o vosso fruto para SANTIFICAÇÃO, e por fim a vida eterna.

A vontade de Deus é que se produza em nós, através da santificação diária, a imagem de Seu Filho, como embaixadores do Seu Reino, como está escrito em II Cor. 3:18. "E todos nós, com o rosto desvendado contemplando como por um espelho, a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória, na mesma imagem, como pelo Espírito Santo". Aqui está claro que o Espírito Santo de Deus opera em nós diariamente, progressivamente, pelo Qual vamos-nos tornando a semelhança do Filho de Deus, refletindo como luz no espelho, através do nosso testemunho vivo, a imagem do Seu caráter Santo, até o dia da nossa ressurreição. Nesta peregrinação temos que, vitoriosamente, Efetuar a Salvação do domínio do pecado sobre nós, crucificando a vontade da carne com suas concupiscências e paixões mundanas – Gal. 5:24.

Por isso mesmo, está escrito em Fil. 2:12b,13,15: "... assim também efetuai a vossa salvação com temor e tremor, para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no Mundo". Daí o valor e importância de nosso testemunho vivo e autêntico diante do mundo, como LUZ E SAL DA TERRA. (Mat. 5:13-16).

3º A Santificação Final.

É a libertação total da presença do pecado, que acontecerá na primeira ressurreição, quando o nosso corpo será transformado e glorificado. I Cor. 15:51-54. Trata-se da remoção total da presença do pecado no corpo do cristão fiel, o que somente acontecerá na segunda vinda do Senhor Jesus Cristo, para arrebatar a Sua Igreja. (I Tes. 4:13-18).

O apóstolo Paulo diz, é nessa esperança que fomos salvos: "...até nós que temos as primícias do Espírito Santo,também gememos em nós mesmos, aguardando a nossa adoção, a saber, a redenção do nosso corpo..., porque nesta esperança fomos salvos..." Rom.8:19-25. Isto é, fomos salvos da culpa e do domínio do pecado, na esperança de sermos salvos da presença do pecado, no dia da "manifestação da glória dos filhos de Deus" na ressurreição dos nossos corpos.

Também o apóstolo João afirma esta mesma verdade em I Jo. 3:2-3, Amados agora somos filhos de Deus... e sabemos que, quando Ele se manifestar, seremos semelhantes a Ele, porque havemos de vê-Lo como Ele é, ...e todo que n’Ele tem esta esperança, purifica-se a si mesmo, como também Ele é puro. (Santo).

Em outras palavras, quer dizer que, seremos iguais a Jesus, pois não teremos mais a presença do pecado em nosso corpo, e nem morreremos mais e nossos corpos serão glorificados.

O apóstolo Paulo, na mesma linha de pensamento, disse a respeito da Igreja, como a noiva de Cristo, em Efésios 5:25-27. "Cristo amou a Igreja, a si mesmo se entregou por ela, para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra, a fim de apresentá-la a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível".

Será assim mesmo, quando Jesus nos transformar completamente pela Sua presença na Sua vinda gloriosa, quando nós nos apresentaremos com nossos espíritos, almas e corpos "santos e irrepreensíveis diante d’Ele”, e não nos "envergonharmos na Sua vinda". Conforme está escrito, nos seguintes textos: I Ts. 5:23 e I Jo. 2:28.

Continua...